segunda-feira, 14 de agosto de 2017

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

"Actualmente, o seu diário faz parte do acervo do Museu da História de São Petersburgo. Uma prova da importância do caderno – que foi encontrado pouco depois da sua morte – é que ele foi apresentado como documento nos julgamentos de Nuremberg."


No dia 27 de Fevereiro de 2014, publicámos no Facebook, no mural do Projeto Memória :



Esta é a Tanya Savicheva, uma menina russa que aos 12 anos começou a fazer anotações sobre os horrores da 2ª Guerra Mundial. Com uma caligrafia infantil e trémula, Tanya registou – com poucas palavras e de forma directa – o dia e o horário da morte de alguns dos seus parentes mais próximos. A menina foi resgatada e enviada para um orfanato nos arredores de Leningrado - hoje São Petersburgo. Entretanto, no dia 1 de Julho de 1944, morreu vítima de tuberculose. Actualmente, o seu diário faz parte do acervo do Museu da História de São Petersburgo. Uma prova da importância do caderno – que foi encontrado pouco depois da sua morte – é que ele foi apresentado como documento nos julgamentos de Nuremberg.

Abraços saudáveis

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

A origem das Tapas


No dia 24 de Setembro de 2013, publicámos no Facebook, no mural do Projeto Memória :



A origem das Tapas

A origem da expressão “tapas”  tem diversas versões. Numa delas, diz-se que antigamente, em Espanha,  pedaços de pão, fatias de "jamón", "chorizo", outros embutidos ou queijos, eram utilizados para cobrir, ou “tapar”, as taças de vinho ou garrafas de bebidas. Assim, evitava-se que  algo caísse no líquido precioso e essa função do aperitivo/petisco deu origem ao seu nome: “la tapa”.

Abraços saudáveis

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Ele estava prestes a assinar o contrato, quando um dos executivos disse: “Ah, há uma pequena condição da qual você deve estar ciente”. “E qual é esta condição?”. “Você deve se livrar de sua mulher. Não podemos ter um homem casado no papel de Tarzan. Aceita ou não aceita?”. Para surpresa ...

No dia 3 de Setembro de 2012, publicámos no Facebook, no mural do Projeto Memória :




O nadador que se transformou no Tarzan – Um pouco da história de vida de Jonnhy Weissemuller

Ele nasceu na Roménia, com 1 ano emigrou com a família para os EUA, aos doze, para ajudar nas despesas da família, deixou a escola e  trabalhou como mensageiro de hotel e  ascensorista. Frequentou nas horas vagas, uma escola de natação e entrou para a equipe da YMCA.
Em 1924, participou dos Jogos Olímpicos,  em Paris   e ganhou 3 medalhas de ouro para os EUA, tendo antes, para poder estar presente, trocado de identidade com o seu irmão que tinha a cidadania americana.

No começo de 1931, escolhido para dirigir Tarzan, o Filho das Selvas, W. S. Van Dyke, começou a procurar o actor ideal para o Rei das Selvas e “descobriu” o novo Tarzan. Johnny foi chamado pela MGM para assinar um contrato de sete anos com o salário inicial de 250 dólares semanais com promessa de aumento, que iria chegar a mais de dois mil dólares por semana. 

Ele estava prestes a assinar o contrato, quando um dos executivos disse: “Ah, há uma  pequena condição da qual você deve estar ciente”. “E qual é esta condição?”. “Você deve se livrar de sua mulher. Não podemos ter um homem casado no papel de Tarzan. Aceita ou não aceita?”. Para surpresa dos executivos, Johnny foi embora de novo (já tinha ido antes por causa do salário que lhe ofereceram inicialmente). No dia seguinte, ele foi chamado ao estúdio e assinou o contrato. Ainda estava casado. Todavia, o estúdio continuou pressionando, não somente Johnny, mas também sua esposa, Bobbe Arnst, propondo gastar dez mil dólares, para ajudá-la na sua carreira de cantora, se deixasse o marido livre. Johnny foi fazer Tarzan, o Filho das Selvas e, em abril de 1932, rumou para Nova York para a pré-éstréia, deixando Bobbe em Hollywood. Quando voltou, ela lhe propôs o divórcio. via histórias de cinema

Abraços saudáveis