quarta-feira, 3 de outubro de 2012

“A socialite americana Josephine Cochrane, (...) que não era engenheira, nem projetista, imaginou uma caixa onde seriam colocadas as louças. Por um lado, entrariam jatos de água e, de outro, sairia o líquido levando a sujeira. Estavamos em 1886 e com esse princípio absolutamente simples, foi desenvolvida a primeira .....



Publiquei no Facebook, no mural do Projeto Memória :

“A socialite americana Josephine Cochrane, vivia recebendo para jantares e festas a alta sociedade americana. Josephine tinha especial carinho por suas porcelanas chinesas adquiridas em viagens pelo Oriente, e tinha receio que na hora da l
impeza suas peças pudessem ser danificadas. Movida pela necessidade, ela que não era engenheira, nem projetista, imaginou uma caixa onde seriam colocadas as louças. Por um lado, entrariam jatos de água e, de outro, sairia o líquido levando a sujeira. Ela procurou especialistas apenas para materializar a idéia. Um marceneiro fez a caixa e um encanador fixou a bomba d’água e o cano para a saída. Estavamos em 1886 e com esse princípio absolutamente simples, foi desenvolvida a primeira lava-louças de que se tem notícia. “ by Carlos Domingos



Abraços saudáveis

Um comentário:

Luís Coelho disse...

Depois da roda as descobertas foram uma sucessão constante.
A máquina de lavar roupa ou louça foi uma sequência do uso da água nas habitações.
Todos puderam gastar água livremente.