quarta-feira, 30 de julho de 2008

"Tudo que chega à terra chega aos filhos da terra"


Escrevo hoje, partes de um trecho do excelente livro "Anticâncer" de David Servan-Schreiber, sobre o qual vos falei no meu artigo de domingo passado, a propósito de uma troca de idéias que tive, sobre a necessidade do planeta terra ter que "(...)alimentar uma população de esfaimados."

Se todos adotarmos essa maneira mais sadia de se alimentar, ajudaremos não só nosso corpo a se desintoxicar, mas também o planeta a recuperar seu equilíbrio. (...) O metano emitido digestão das vacas (que toleram mal o milho que recebem para comer- sobre esta questão, convido-os a lerem o meu artigo de (Janeiro 08) neste Blog intitulado "Dificilmente obteremos uma explicação melhor sobre de onde vem a nossa comida" (The New York Times)) - age 23 vezes mais do que o CO2 sobre o aquecimento, e 37% do metano mundial vêm dos ruminantes. Um terço das terras aráveis são destinadas ao milho e à soja para alimentação do gado. Essas extensões são insuficientes para atender à demanda, o que provoca o desmatamento das florestas - e uma nova perda em capacidade de absorção do dióxido de carbono.(...) pecuária está entre as atividades mais prejudiciais para os recursos hídricos por causa do despejo maciço de pesticidas e excrementos dos animais dentro dos cursos de água.
Um indiano consome em média 5 kg de carne por ano e - com a idade igual - vive com melhor saúde do que um ocidental. São necessários 123 kg para satisfazer um americano - 25 vezes mais. Nossos modos de produção e de consumo de produtos animais destroem o planeta.Tudo parece indicar que eles contribuem também para nos destruir ao mesmo tempo.
No final de cada dia eu escrevo algumas palavras em um diário íntimo para resumir o que me deu mais prazer (estamos a falar de um médico que teve um câncer e uma recaida!). Em geral, trata-se de coisas muito simples. E frequentemente me surpreendo ao notar que o prazer que senti por só ter comido legumes, ervilhas e frutos (e um pouco de pão multigrão) Noto como me senti mais alerta e mais leve o dia inteiro, e sorrio à idéia de que fui menos pesado para o planeta que me carrega e me alimenta.(...)
Em 1854, o chefe Seattle das tribos do Noroeste entregou solenemente seu território e seu povo à soberania dos Estados Unidos (e disse):
"Ensinem aos seus filhos o que nós ensinamos aos nossos , que a terra é nossa mãe. Tudo o que acontece com a terra acontece com os filhos da terra. Se os homens cospem no solo, estão cuspindo em si mesmos.
A terra não pertence ao homem, o homem pertence à terra.(...) Tudo que acontece à terra acontece aos filhos da terra."

Acredito que existem alternativas melhores, para deixar que a terra garanta o alimento da minha filha Carolina, mas para isso cada um tem que dar um pequeno (grande!) passo.

Abraços saudáveis

2 comentários:

Élio disse...

João:

sobre a necessidade do planeta terra ter que "(...)alimentar uma população de esfaimados."

Que tal incentivarmos as pessoas terem menos filhos e assim diminuir a praga sobre a face da Terra?
Élio

Diná Goertz disse...

Caro Joao,

eu leio regularmente os seus artigos e gosto muito.
O tópico Qualidade de Vida é muito importante, principalmente no mundo atual.
Alimentar-se de forma saudável e harmoniosa, é uma disciplina poderosa que pode ajudar a equilibrar nossos corpos, mentes e avida em geral.
´As vezes é difícil nosso programa diante da pressao social e dos nossos velhos sistemas de hábitos programados. Mas é necessário examinar esses modelos e estar disposto a abandonar o que nao é adequado para nosso sentimento de bem-estar e experimentar uma energia corporal equilibrada.

Diná Goertz/ Köln-Deutschland.