quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

"Meu pequeno tratado sobre a Depressão"

Para terminar o ano (acredito que amanhã não publicarei nada!) escrevo algo sobre um tema que de alguma forma, mexe directa ou indirectamente com quase todas as famílias que conheço.

Escolhi um exemplo (retirado do Blog Wer ist Dona Flor?) com um resultado aparentemente feliz e onde a protagonista foi orientada e seguiu uma linha de tratamento, na qual acredito muito (reparem bem na questão da alimentação, de respeitar o ritmo de cada um, não enveredar por soluções fundamentalistas, resultados crescentes e sustentados, etc)

Pretendo, humildemente falando, com a publicação do texto abaixo, aproveitar o ditado popular "ano novo vida nova" para incentivar todos aqueles(as) que vivam uma situação semelhante, a iniciarem o mês de Janeiro de 2010 (ou melhor ainda, já no próprio dia 1) acreditando que uma boa parte da solução está dentro deles e simultaneamente passar a mensagem para quem faz parte do dia a dia de quem está com depressão, que a forma como se comportam perante esta familiar, amigo, colega, subordinado, etc, pode facilitar ou prejudicar muito a sua recuperação.

"Faz quase 6 meses que venci minha depressão! E resolvi escrever sobre isso já faz algum tempo, mas nunca terminei esse post e ele ficou nos meus rascunhos.

Quem acompanha meu blog sabe que eu tive um momento muito difícil aqui na Alemanha. Uma das minhas lembranças mais claras dos comentários e e-mails que eu recebi foram os e-mails do tipo "falta Jesus na sua vida" ou "saia de casa, faça alguma coisa, que melhora", como se fosse uma questão de escolha. Eu escolhonão ter depressão e pronto, sarei.

Eu sei que as pessoas que deixaram esses comentários tiveram boas intenções, porque eu também pensava assim. Aliás, aproveito para pedir desculpas para a minha amiga Vera, que luta há anos contra a doença e eu nunca a entendi. Eu só pensava que ela tinha um filho lindo, um marido bacana, uma empresa próspera e que o chororô dela contra a vida era pura falta do que fazer ou infantilidade. Vera, me desculpe!

A depressão não é tristeza, não é desânimo, não é mau-humor: é um desequilíbrio químico que pode se iniciar por mil e um motivos. A minha se iniciou após uma crise de estresse (outra doença que eu achava que era de gente sem ter o que fazer). Eu cheguei na Alemanha em final de Setembro de 2007, os dias mais curtos e sem sol já estavam por aqui e logo as más notícias e problemas cotidianos se acumularam: a falta de atenção do marido que levava vida de solteiro, a sogra se intrometendo em tudo, as aulas de alemão que não eram satisfatórias, o diagnóstico de câncer do meu pai, a morte do meu vô, a morte do meu pai... Perdi o chão, fiquei extremamente mal e o estresse causou um desequilíbrio hormonal e esse desequilíbrio causou minha depressão.

Eu passei por vários médicos até conseguir o diagnóstico. Meu marido nem queria que eu procurasse médico, achava que não era necessário. A família daqui jogava a culpa em mim, diziam que a morte do meu pai me abalou e que eu não queria me integrar à nova vida. Eu devia sair mais, ver mais gente, estudar mais. Só que eu não tinha ânimo, tinha dores pelo corpo (ainda tenho de vez em quando) e um cansaço que não passava nem se eu dormisse 14 horas por dia. Só ao chegar em um médico ortomolecular, que consegui um diagnóstico e um tratamento, começando com o problema hormonal.

Meu tratamento não incluiu drogas contra a depressão. Ele me ofereceu as duas opções: tomar algo para "por pra cima" logo, enquanto tratava o desequilíbrio hormonal ou começar a tratar e esperar a melhora gradual. Eu resolvi esperar a melhora gradual e meu primeiro passo foi parar de tomar pílula e começar a tomar vitaminas e dar uma mudada na minha alimentação. Depois, com a ajuda de um bom ginecologista, comecei uma reposição hormonal e optei por outra pílula.

Depois de dois meses eu já sentia mais ânimo. Após 4 meses as dores no corpo passaram e eu comecei a ir pra academia, onde ainda vou e faço exercícios muito leves.

Com a chegada do frio e dos dias mais curtos (como é duro ter luz só das 8 às 4:30), eu comecei a sentir que poderia piorar, porque já estava de novo com vontade de dormir muito. Voltei ao médico e ele me indicou vitamina D3 e fototerapia (meia hora por dia com uma luz forte voltada para mim). A fototerapia é ótima, recomendo muito pra quem sente também falta de sol.

Entre as mudanças importantes que fiz na minha alimentação está a inclusão de peixes e mais saladas e vegetais (coisas que eu não tinha o costume de comer no Brasil) e estou evitando farinha de trigo e glúten. É difícil, mas eu parei de fazer tanto bolo, não como pão branco todos os dias (na verdade como no máximo uma vez por semana) e o médico me disse para evitar tantas fibras, que eu sempre ouvi dizer que são ótimas para o funcionamento do intestino. Na opinião dele, as fibras atrapalham a absorção dos nutrientes no intestino. Ele também me disse para evitar coisas com gordura hidrogenada, como margarina, o que pra mim não é difícil, porque eu sempre gostei mais de manteiga. Mas sem pão, nem lembro de usar a manteiga.

Uma coisa que eu não consegui colocar na minha dieta foi o Iogurte... detesto! Eu tomo Yakult, será que vale? :-) Eu adoro chocolate e bolachas, mas já que as bolachas recheadas estão cheias de gordura hidrogenada, eu estou comprando apenas chocolate em barra e apenas 2 barras por semana. Eu comia uma por dia antes e cansei de não almoçar por pura falta de coragem de cozinhar... agora eu cozinho no almoço e na janta e como várias vezes por dia. Claro que ainda como no McDonalds de vez em quando, não sou super restrita na minha dieta, só acho que se eu puder manter na maior parte dos dias uma alimentação mais saudável, melhor.


Outro dia olhando fotos minhas de um tempo atrás e de agora é como se eu tivesse rejuvenescido, minha pele está melhor, meu cabelo, as unhas... Eu até engordei um pouco, o que é ótimo, porque desde que eu mudei pra cá eu estava abaixo do peso, com 46, 47 quilos. Agora meu peso varia entre 50 e 52 quilos e eu me sinto ótima!"

Só posso dar os parabéns à autora deste belo texto e ao médico que a aconselhou!

Boas decisões e um 2010 com muita Saúde e (mais) Qualidade de Vida

Abraços saudáveis

3 comentários:

SER MULHER INTELIGENTE disse...

Gostei muito do blog, João.

Parabéns!

Elaine.
http://sermulherinteligente.blogspot.com

João Marques disse...

Bom dia Elaine,

Obrigado pelas suas simpáticas palavras.
Aquilo que publico/escrevo pretende ser um pequeno contributo para que cada leitor possa de alguma forma melhorar a sua própria Qualidade de Vida (ou a de alguém próximo de quem goste), através de mudanças simples, respeitando o ritmo de cada um, onde o prazer possa estar sempre presente e onde o objectivo seja alcançar resultados crescentes e sustentados.
As suas visitas e ou comentários que eventualmente considere oportuno fazer serão sempre muito bem vindos.
Aproveito para lhe desejar um 2010 com muita Saúde e (mais) Qualidade de Vida.

Abraços saudáveis

Flor disse...

João, eu quis passar aqui para falar que já em meados de 2011, a depressão não voltou mais, o stress não me causa mais tantas dores e sofrimento. Enfim, estou curada!
A proposta do meu médico deu muito certo pra mim e eu espero que outras pessoas também procurem tratar suas depressões sem medicamentos fortes, vendo a sua cura como uma mudança de estilo de vida. =)
Abraços,
Flor